sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Gina em: Capitu, a vida é uma ópera.

Sumi, é verdade bem sei, sumi e estive pelo mundo. Certo que deveria brindá-los com mais um texto alegre, vexando a vida, como sempre fiz, mas a vergonha de ter abandonado meu recanto só me põe tristeza e não alegria.

A verdade é que eu estive ocupada e se pretendia escrever sei que sairia só um esboço dos antigos contos e se era para ser ruim, de que me adiantaria escrever? Afinal de contas, do que me adiantaria dar ao mundo o meu pior?

Agora que as coisas começam a oxigenar, sinto que me faltava algo a fazer, então declaro por retomadas as atividades desta pocilga, embora o tempo de pasteurização tenha me tirado um pouco da forma, prometo retomar em qualidade e conteúdo!

Pois bem, apertem os cintos. Lá vamos nós!

Gina em : Capitu

Quando liguei a televisão e vi que seria feita uma adaptação de Dom Casmurro, confesso que estremeci de alegria por ter a oportunidade de ver a encenação de uma obra tão fascinante e estremeci novamente de medo porque a vida inteligente na programação televisiva sempre foi meio de se duvidar.

A verdade é que gostei da adaptação, com alguns estranhamentos, mas gostei. Estranhei a trilha sonora pouco abrasileirada, estranhei o decrépito Dom Casmurro, estranhei o Escobar afeminado e bailarino e gostei de todo o resto, que é grande coisa. Adorei a intrepretação de Capitu e Bentinho dentre todas as demais.

Sempre fui fascinada por esta obra, afinal, quem mais seria capaz de levantar uma dúvida por um século? Se fosse hoje, as coisas seriam muito simples, iam Casmurro e Capitu ao programa do ratinho e pronto! Um DNA e parabéns pro papai!!

Numa outra hipótese, como dizem as más línguas, se Bentinho era mesmo apaixonado pelo Escobar (sei o que você sente, também custo a acreditar e por isso não gostei do Escobar afeminado da minissérie), se fosse hoje, que saissem da cristaleira e fossem se casar na parada gay . Era bem mais simples.

Entretanto, brincadeiras à parte, só mesmo Machado de Assis foi capaz de levantar dúvidas que pairam sob um século inteiro de literatura e é por isso que ele é um dos meus autores favoritos e grande referência pra mim, que não sou lá grande coisa também...

Esse refinamento todo que traz a obra uma beleza insuperável e que me encanta muito e que na minha humilde opnião foi transmitida para televisão. Afinal, de beleza a vida hoje é tão escassa, que é até bonito imaginá-la como uma ópera, dramática, lírica, misteriosa...

"Olhos de cigana, oblíqua e dissumulada". Confesso que a primeira vez que li o livro, ainda muito jovem, imaginava que Capitu bebia demais e por isso tinha olhos de ressaca. Vê se pode? Por isso que cresci desmiolada desse jeito, já não era muito certa das idéias quando criança.

4 comentários:

Janaina disse...

Haha.. ué não é bom reler um livro e interpretar de foma diferente da primeira leitura? Melhor ainda é lembrar a interpretação que se teve na primeira e rir-se, como fizeste.
Quanto à minissérie não tive a oportunidade de assistir, mas fiquei muito curiosa para saber resultado da adaptação na tv. Pude ter uma idéia de como foi a partir dos teus relatos.
Ah.. deixa eu me apresentar, venho do blog do Sr. Conde, vi que foste a felizarda visitante nº9999 que será brevemente entrevistada e resolvi fazer uma visita. Já havia passado por aqui antes, mas nunca postado, ou melhor, palitado. Abraços.

Ivan Grycuk disse...

Olá Dona Gina!!

Vejo que após tais manifestações escritas, tanto vossa quanto de vossa leitora, não devo eu menosprezar as palavras que, por vez, tenho dúvida se realmente existem ou se são verdura da minha imaginação - que, faça-me o favor, não pense que é humilde, aliás, de humilde não possuo nem X.

Assim como vossa palitadora, não me foi dada a oportunidade de apreciar os poucos capítulos da minissérie baseada no livro do Machadão, aliás, nem o livro ainda me foi dada a oportunidade de apreciar. Sei de alguma ou d'outra trama do supracitado volume, mas lido e interpretado, do nosso Machadão, apenas o Quincas Borba tive a felicidade de acompanhar - visto que vim a entendê-lo anos após, dia desses para ser exato, andando por algum lugar.

Mas tah... e os contos, ein, Dona Gina?!!

Um beijão pra ti Dona!

Estou esperando para ver se a volta é volta mesmo!!

Ivan Grycuk disse...

***** ein... cada comentario grande...

Ivan Grycuk disse...

Ah... já tinha até esquecido... você, se assim desejar, tem direito a um post no meu blog e, se também lhe interessar, responder ao Café com idéia.

Afim?